Propostas de plataformas open source de História Natural para projetos de Ciência Cidadã no Brasil

por Aléssio

Resumo expandido originalmente publicado no II Workshop da Rede Brasileira de Ciência Cidadã, 4-7 de julho de 2022.

O rápido desenvolvimento de pesquisas participativas e colaborativas na última década resultou na necessidade crescente de novas infraestruturas para acolher atividades de ciência cidadã. O objetivo do presente trabalho é relatar a experiência da criação de duas plataformas Web para o compartilhamento de fotos e de informações sobre Biodiversidade e de Geodiversidade no Brasil e como podem ser utilizadas como ferramentas em projetos de ciência cidadã. O Portal de Zoologia de Pernambuco (www.portal.zoo.bio.br) e Geodiversidade.net são plataformas que podem acolher projetos de ciência cidadã, nas quais ferramentas da Internet e da cartografia permitem que qualquer pessoa contribua na divulgação de fotos, localização e informações sobre espécies de animais selvagens e sobre rochas e formações geológicas. Os sites utilizam um sistema gratuito e de código aberto e é dinamizado para a utilização em smartphones, podendo ser facilmente adaptado a outros contextos e objetivos.

Caracterização do Projeto/Contextualização

Cada vez mais as atividades de ciência cidadã estão marcadas pela intermediação das tecnologias de informação e comunicação [1]. O crescimento do número e alcance de projetos de ciência cidadã foram acompanhados por um aumento da necessidade de desenvolvimento de infraestruturas eficazes para ajudar as pessoas a encontrar, descobrir e a se conectar com projetos em que possam colaborar. Neste contexto, as infraestruturas incluem as estruturas físicas, ferramentas e equipamentos, processos, serviços, capital humano, grupos sociais e ativos tecnológicos. Mais especificamente, os ativos tecnológicos, no contexto da ciência cidadã, se referem a plataformas de Tecnologia de Informação e Comunicação TIC, as quais são utilizadas para coletar, armazenar, gerenciar, compartilhar, visualizar e analisar dados e metadados produzidos por cidadãos cientistas [2].

As plataformas de ciência cidadã podem ser definidas como infraestruturas baseadas na Web com um único ponto de entrada que contém, de acordo com Liu e colaboradores (2021) [3] , uma ou várias das seguintes funções: 1) presença de atividades e projetos de ciência cidadã; 2) exibição de dados e informação de ciência cidadã; 3) fornecimento de diretrizes e guias que podem ser utilizados para apoiar projetos de ciência cidadã; 4) apresenta boas práticas e lições aprendidas; e 5) oferecer resultados científicos relevantes para pessoas envolvidas ou interessadas em ciência cidadã. Entre as diferentes plataformas existentes, os sites dedicados a projetos específicos ou tópicos científicos específicos são os mais comuns. Estes últimos podem ser considerados como repositórios para diferentes tipos de dados (registros fotográficos georreferenciados, por exemplo) e utilizados por cidadãos cientistas, pesquisadores e agentes públicos.

De acordo com Mamede e colaboradores (2017) [4] , muitos projetos de ciência cidadã no Brasil apresentam sites com identidades cativantes e linguagem lúdica. O compartilhamento de registros fotográficos é uma forma de entretenimento capaz de mobilizar o interesse de pessoas sobre os mais diferentes temas, desde o registro da biodiversidade até a descoberta de afloramentos rochosos. O objetivo do presente trabalho é relatar a experiência da criação de duas plataformas web para o compartilhamento de fotos e de informações sobre Biodiversidade e de Geodiversidade no Brasil e como podem ser utilizadas como ferramentas em projetos de ciência cidadã.

Desenvolvimento

O Portal de Zoologia de Pernambuco (www.portal.zoo.bio.br) e Geodiversidade.net utilizam o sistema SPIP de publicação e gerenciamento de conteúdo e o esqueleto de código aberto geodiversite [5] para a Internet que se destaca particularmente pelo funcionamento coletivo e a facilidade de utilização. O sistema SPIP é um software livre distribuído sob licença GNU GPL (GNU General Public License), baseado fundamentalmente nas linguagens HTML, PHP, SQL e Javascript. A estrutura de um site e/ou plataforma SPIP é construída sobre uma hierarquia imbrincada de seções e subseções e de artigos publicados nestas sessões, constituindo um esqueleto relativamente complexo, mas de fácil manipulação, com recursos nativos do próprio SPIP e ferramentas oriundas de extensões que podem ser instaladas de acordo com as necessidades e objetivos de comunicação da plataforma, como fóruns públicos, mensageria de contato, newsletter entre outras. Toda a vida do site pode ser acompanhada através de uma ferramenta de estatística de visitas dos diferentes objetos editoriais.

O esqueleto geodiversite é um esqueleto desenvolvido especificamente para o sistema SPIP. É um conjunto de páginas HTML, de folhas de estilo CSS e scripts Javascript que é instalado conjuntamente com extensões de cartografia, de galeria de fotos e de formulários públicos, constituindo finalmente uma plataforma de coleta de dados por meio de serviços gratuitos de mapeamento em tempo real baseados em localização geográfica. Na lógica de um sistema SPIP clássico, os artigos do Portal de Zoologia de Pernambuco e de Geodiversidade.net são os registros postados pelos usuários. No caso do Portal de Zoologia, fotos de animais selvagens são classificados basicamente em categorias taxonômicas pré-estabelecidas pela equipe científica do projeto, possibilitando a construção de uma árvore filogenética interativa (http://www.portal.zoo.bio.br/arvore).

No caso de Geodiversidade.net, os registros são classificados de acordo com o tipo de rocha e idade estimada ou qual Era ou época geológica o registro pertence. Uma vez postados, os registros tornam-se automaticamente visíveis na interface pública da plataforma e qualquer pessoa pode interagir com o autor e outros utilizadores no fórum público presente na página de cada registro. Os autores dos registros são convidados a disponibilizar seus registros sob licenças Creative Commons, notadamente CC BY-NC-SA (não comercial-compartilha igual) ou CC BY-NC-ND (não comercial-sem derivações). Projetos de ciência cidadã podem ser criados a partir do estabelecimento de marcadores ou de coleções temáticas de registros e os dados podem ser rapidamente visualizados em um mapa interativo com funcionalidades de aproximar e afastar (zoom in/out), de modificar o fundo do mapa, além de poderem ser baixados em formato de arquivo kml.

Atualmente as duas plataformas estão articuladas com componentes curriculares e projetos de extensão do Curso de Ciências Biológicas da Universidade de Pernambuco.

Resultados alcançados e lições aprendidas

O Portal de Zoologia de Pernambuco foi lançado em 2017 e conta atualmente com 981 registros, com uma média de 745 e 17.319 visitas diárias e mensais respectivamente. Em 2019, o Portal foi um dos projetos selecionados para ser apresentado na segunda edição do Camp Serrapilheira, um dos eventos mais importantes de divulgação científica do Brasil. Também em 2019 o Portal de Zoologia foi um dos projetos agraciados com o Prêmio Vasconcelos Sobrinho na sua 30ª edição (evento estadual de Pernambuco que premia projetos e atividades relacionados ao meio ambiente), na categoria Inovação Tecnológica. O Portal integra atualmente a base de dados de projetos de Ciência Cidadã do Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira e integra também o Panorama: Solutions for a Healthy Planet, uma associação que promove bons exemplos de soluções inspiradoras e replicáveis sobre o meio ambiente em temas como conservação e desenvolvimento. O projeto Geodiversidade.net foi lançado em julho de 2020 durante a pandemia de COVID-19 e está em período de teste, sendo utilizado como fonte de informações e destino de materiais produzidos por alunos de graduação para compor uma plataforma de recursos educacionais digitais na área de geologia. Tais materiais servirão como base para o desenvolvimento de roteiros de projetos de ciência cidadã nas áreas de geoeducação e geoconservação.

Apesar da existência de outras plataformas que apresentam funções semelhantes presentes no Portal de Zoologia e Geodiversidade.net, o sistema de publicação Web presentes nestes projetos se destaca por sua gratuidade, sua facilidade de uso e pela possibilidade de ser replicado rapidamente para a utilização em outros contextos em que registros fotográficos, ou qualquer outra mídia, necessitem ser georreferenciados. Além disso, a natureza colaborativa de SPIP democratiza a criação de soluções de comunicação e fluxos de dados digitais que auxiliam na pesquisa, da mesma forma que a ciência cidadã democratiza o próprio processo de pesquisa científica.

Agradecimentos

O Portal de Zoologia de Pernambuco e Geodiversidade.net foram projetos apoiados por editais de projetos fortalecimento acadêmico (PFA) de ensino e extensão da Universidade de Pernambuco.

Observações

[1NEWMAN, G. et al. The future of citizen science: emerging technologies and shifting paradigms. Frontiers in Ecology and the Environment, v. 10, n. 6, p. 298–304, ago. 2012.

[2BRENTON, P. et al. Technology infrastructure for citizen science. Em: Citizen Science: Innovation in Open Science, Society and Policy. London: UCL Press, 2018. p. 63–80.

[3LIU, H.-Y. et al. Citizen Science Platforms. Em: VOHLAND, K. et al. (Eds.). . The Sicence of Citizen Science. Cham: Springer, 2021. p. 439–460.

[4MAMEDE, S.; BENITES, M.; ALHO, C. J. R. Ciência Cidadã e sua Contribuição na Proteção e Conservação da Biodiversidade na Reserva da Biosfera do Pantanal. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 12, n. 4, p. 153–164, 29 set. 2017.

[5BERGOT, B. Géodiversité. France: [s.n.].